Arquivos do Autor: Guilherme

John Piper – Quatro Razões para Buscar a Deus Apaixonadamente

Por que eu insisto que você deve seguir a Deus firmemente, ou, o que é a mesma coisa, por que nós devemos seguir a Cristo firmemente? Aqui estão quatro razões: 1. Para conhecê-Lo Primeiro, nós devemos seguir a Cristo firmemente para conhecê-Lo. Filipenses 3.7-8: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor“. Paulo seguia a Cristo firmemente, renunciando todas as coisas das quais as pessoas normalmente se gloriam; e ele fazia isso para que pudesse conhecê-Lo.Por quê? Porque conhecer a Cristo é uma riqueza que ultrapassa tudo o mais. A evidência da conversão é se você de fato se tornou um hedonista cristão. Hedonistas cristãos sempre seguem firmement[...]

Kevin DeYoung – Dez princípios para a Música da Igreja

Quando se trata dos cânticos de Domingo, as igrejas têm mais opções do que jamais tiveram. Do hinário, passando pela Hillsong, até as composições locais, pastores e líderes de louvor têm milhares de músicas para escolher. Um bom problema para se ter. Mas ainda é um problema. Nenhum líder de música pode evitar. Nenhuma igreja pode cantar todos os ótimos hinos e todas as mais novas e melhores canções das rádios. Nenhum músico consegue ser excelente em todos os estilos musicais que existem. Nenhum líder pode agradar todas as pessoas o tempo todo. A proliferação de opções com freqüência leva a um conflito. Devemos cantar hinos (Wesley, Watts or Fanny Crosby?) ou contemporâneos (música popular dos anos 70, música evangelical contemporânea ou punk rock?). Nossa música deve ter um pouco do [...]

Para não dizer que não falei das flores

Não se preocupem com o que comer, beber ou vestir, mas busquem em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Esta recomendação de Jesus aos discípulos é geralmente interpretada como uma declaração de Deus prometendo que os que cristãos fiéis jamais passarão fome, sede ou frio, isto é, terão suas necessidades físicas e materiais absolutamente supridas. Mas parece que não é só isso. Não foram poucos os cristãos que ao longo da história sofreram privações extremas, alguns deles justamente porque buscaram o reino de Deus e sua justiça em primeiro lugar. Ainda hoje, temos à nossa volta centenas de milhares de cristãos vivendo na pobreza, em condições desumanas. Muitos são perseguidos e mortos por sua fidelidade a Jesus e ao reino de De[...]

Intenções e Heresias

Há algum tempo, li a seguinte frase no Twitter: “A heresia me preocupa menos do que a má intenção”. Imediatamente lembrei-me de alguns momentos em que Paulo escreveu sobre como devemos pregar o Evangelho, e pude concluir que o apóstolo não concordaria com a frase acima, pois ele insiste que a nossa fidelidade ao conteúdo do Evangelho deve ser inegociável. Paulo, ao falar sobre o conteúdo da pregação, diz o seguinte: “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema” (Gl. 1:8). Mas, quando o apóstolo fala sobre a intenção dos pregadores, afirma: “É verdade que alguns pregam a Cristo por inveja e rivalidade, mas outros o fazem de boa vontade. Mas, que importa? O importante é que de qualquer forma, seja por motivos fal[...]

Crente boca suja

No domingo passado, ao falar sobre o desequilíbrio entre a verdade sem graça (legalismo) e a graça sem verdade (libertinagem), eu mencionei a tendência crescente entre muitos cristãos pós-modernos de soltar o verbo e liberar os palavrões como se fosse a coisa mais natural do mundo. Algumas pessoas me perguntaram se eu não estava caindo novamente no legalismo simplesmente por questionar isso. Vejamos. Em primeiro lugar é preciso reconhecer que esta é uma questão mais complexa do muitos gostariam que fosse. Já conversei com várias pessoas sobre isso nos últimos anos e tenho a impressão de que muitos pensam que basta citar alguns versículos das Escrituras e assunto encerrado. Mas não é bem assim. O difícil é determinar quando uma palavra é torpe ou obscena uma vez que a linguagem é algo vi[...]

Na pele do outro

O cotidiano parece se repetir conforme o previsto até que você é empalado por uma cena. Eu saía da loja de um shopping de São Paulo, na tarde de sábado, quando ele passou por mim. Não sei se era a forma como o ar se deslocava de outro jeito ao redor dele, mas eu ainda não o tinha visto e minhas mãos já se estendiam no ar para ampará-lo. Ou talvez fosse só impressão minha, uma vontade estancada antes do movimento. Era um homem velho. Mas mais do que velho, era um homem doente. Cada um dos seus passos se dava por uma coragem tão grande, porque até o pé aterrissar no chão me parecia que ele podia retroceder ou cair. Mas ele avançava. E porque ele avançava na minha frente eu pude ver aquilo que outras partes de mim já haviam percebido antes. Sobre a sua cabeça havia uma peruca tão falsa que se[...]